Abelhões sentem os campos eléctricos das flores

09-10-2013 21:56

 

 

    Abraço o arco-íris com o olhar visível.

 
    A separação das componentes do espectro da luz solar, ao atravessarem as gotas de água, imprime na minha retina sensações de uma paleta de cores que o meu cérebro retém. A cada nuance colorida associa um nome e mesmo outras sensações de alegria, esperança, espanto, confiança, frio ou calor. As cores passam a ser elementos da minha comunicação com o mundo que me rodeia.
 
    Mas há muito mais radiação para além da pequena região da luz que nos impressiona visivelmente no espectro da luz solar. Por exemplo, não conseguimos ver as radiações ultravioletas nem as infravermelhas. Também não conseguimos ver as radiofrequências nem as micro-ondas, e assim por adiante.
 
    Mas outros seres que coabitam connosco este planeta conseguem percepcionar a luz para além da região do espectro visível. Por exemplo, as abelhas conseguem ver cores ultra-violetas. Este facto levou o biólogo evolucionista Richard Dawkins a referir que para os insectos os campos de flores são “jardins ultravioletas”. Se para a maioria de nós as pétalas do mal-me-quer são uniformemente brancas, para uma abelha pode haver nelas uma outra riqueza de padrões coloridos que nós não conseguimos ver. É possível viver estas sensações na exposição permanente do Museu da Ciência da Universidade de Coimbra.
 
    É o espelho da co-evolução entre as plantas com flor e os insectos que as polinizam. Ao longo de milhões de anos a evolução natural consertou as adaptações ajustando-as para uma comunicação mais eficaz e rica entre ambos.
    
    Mas a Natureza não para de nos espantar. Num trabalho publicado na última edição da revista Science mostra-se que pelo menos um dado tipo de abelhões (Bombus terrestris) é sensível à carga eléctrica, ou ao campo eléctrico, de uma dada flor. E que esta carga eléctrica parece estar associada com o conteúdo em pólen que essa flor possui num dado momento.
 
 
 
 
    Os investigadores descobriram que depois de uma flor ser visitada por uma abelhão, que lhe retira pólen, a carga eléctrica desta flor altera-se e esta mudança permanece durante alguns minutos. Assim, um outro abelhão, ao se aproximar dessa flor, apercebe-se, provavelmente electrostaticamente, que o conteúdo em pólen é reduzido.

    Apesar de toda beleza cromática que apresenta para atrair o insecto, a flor não faz "publicidade enganosa" e comunica ao insecto que não vale a pena, naquele momento, ele nela poisar se ao pólen vem. O abelhão agradece, pois, como em outras actividades, nesta o tempo também é precioso. Para a flor, como também em outros casos, é importante dizer a verdade para que o insecto a ela volte noutra altura de mais abundância polínica.
 
    Para uma abelha um campo de flores não é só um jardim no ultravioleta. Este também está repleto de sensações electroestáticas que tornam a comunicação mais efectiva e rica de significados.
 
    
 

António Piedade (colaborador do CcT, bioquímico, investigador e divulgador científico) - texto publicado primeiramente no Blog do autor: Momentos de Ciência.

 

Ver original em: http://momentosciencia.blogspot.pt/2013/02/abelhoes-sentem-os-campos-electricos.html

 

Tópico: Comentários

Um jardim no ultravioleta

Data: 14-12-2014 | De: Ibrahim al-Mansur Azevedo Said

Nada como a poesia para espelhar toda a beleza das coisas.
Parabéns!

P.S.: Escrevi um poema sobre as "Supernovas". Vou enviá-lo para o email do contato desta página. Espero que você o leia.

Lululemon Canada43307

Data: 12-10-2013 | De: gosgokip


Abelhões sentem campo eléctrico das flores

Data: 12-10-2013 | De: Regina Gouveia

Parabéns pelo texto. Interessante tem a carga poética que o António Piedade também sabe imprimir ao que escreve

Abelhões sentem campo elétrico das flores

Data: 10-10-2013 | De: Graciete Virgínia Rietsch Monteiro Fernandes

Que maravilha!!!
Muito têm os seres humanos que aprender com os animais ditos "inferiores"!!!

Obrigada. Um abraço.

Itens: 1 - 4 de 4

Novo comentário