Astronomia Amadora

20-08-2013 15:57

 

 

    Alguns de vós talvez já tenham pensado que um bom passatempo é olhar para o céu à noite. De facto, quando se vê documentários sobre astronomia, por exemplo, é normal ficar-se com uma certa vontade de olhar para essa imensidão que esmaga a nossa pequenez. Desafio-vos a pôr em prática esse desejo, mas antes permitam-me que altere um pouco as vossas expectativas, para que não fiquem depois desapontados.

 

    Vou então contar uma história elucidativa, que poderia acontecer a qualquer um de vós (ou talvez não, se não encontrarem neste artigo nenhuma novidade). “Era uma vez o senhor X que ficou com vontade de observar o céu um pouco mais além do que os olhos lhe permitiam. Para isso, foi ao supermercado e viu um telescópio com uma publicidade aliciante inscrita na caixa: «Veja o céu com um telescópio melhor do que aquele que Galileu usou para observar a Lua e as luas de Júpiter… Por apenas Y€». O senhor X pensa: «Y€ não é caro, e poderei ver coisas muito interessantes!» Portanto, o senhor X compra, leva para casa e à noite observa o céu… Porém, o que vê deixa muito a desejar, sente-se enganado.”

 

    Y é, à partida, um valor a rondar os 100€. Na caixa poderão ler que o telescópio tem ampliações soberbas, contudo é frequente que o telescópio não venha preparado para o uso de tão grandes ampliações (maior ampliação exige necessariamente uma maior área de captação da luz, ou seja, um tubo mais “grosso”). Telescópios deste nível são por norma melhores para observar as “estrelas” do prédio ao lado, do que as outras que estão no céu…

 

    Deixo então uma lista de considerações que penso serem importantes:

  • Ir a uma sessão de Astronomia (por exemplo “Astronomia no Verão”, podem ver onde estão a decorrer no site da Ciência Viva), para ficarem com uma ideia razoável do que é possível ver com um telescópio ainda amador, mas que terá provavelmente mais um zero que Y;
  • Se continuarem com vontade de fazer observações, fiquem a saber que ter o telescópio não chega:
  • Devem observar num local onde não haja iluminação, pois a mesma afecta a qualidade com que podem observar o céu (que obviamente deve estar limpo, sem nuvens), portanto observar na cidade é difícil!
  • Devem comprar uma revista de astronomia, a qual deverá vir com um mapa do céu, o que ajuda muito para saberem o que estão a ver… Alternativamente, caso tenham um smart phone, podem tentar encontrar uma aplicação que vos indique o que está no céu. Se tiverem um computador portátil, tablet, etc., que possam levar convosco para a observação, poderão usar o software gratuito Stellarium.
  • Para apontar um telescópio para um dado astro é preciso alguma habilidade – não desesperem! Uma forma de contornar este problema é comprar uma mira, o que facilita mesmo muito esse apontar (a mesma pode ser comprada numa loja de astronomia, no país existem umas três ou quatro, creio que situadas em Aveiro, Lisboa, Marinha Grande e talvez no Porto). (Com um telescópio de 2000 ou mais €, já podem “pedir” ao telescópio para apontar sozinho, e até “seguir” os astros, visto que estes estão sempre a “fugir”, dado que a Terra roda sobre si própria!…)
  • Notar que o que veem no telescópio pode estar invertido! (Depende da configuração do telescópio.) Por outro lado, não esperem ver um céu cheio de astros, cheio de cores, etc., isso vê-se nos livros, não ao telescópio! O melhor astro para observar é a Lua, se não gostarem desse, terão uma desilusão.
  • O que podem conseguir observar: Lua (ver crateras, sombra das montanhas), anéis de Saturno, luas de Júpiter, anel de Lira e pouco mais.  Observar a Andrómeda, por exemplo, além de não ser muito fácil, pode ser uma experiência desapontante, pois vê-se apenas uma pequena “mancha” muito pouco nítida, que parece ser apenas sujidade na lente do telescópio.

 

O dispositivo na mão do observador serve para ele escolher para onde quer que o telescópio “olhe”.

 

    Não me interpretem mal: o que se vê num telescópio dos mais baratos é na mesma interessante, só é bom é não ter expectativas demasiado elevadas. O primeiro ponto que indiquei antes é o principal, falem primeiro com quem já faz astronomia amadora há muito tempo e observem o céu com as indicações deles, a partir dessa experiência já saberão com o que contar.

 

    * Como referido no artigo, fica a sugestão de participarem numa sessão de Astronomia no Verão. Consultem o site do Ciência Viva para encontrarem aquela que irá decorrer mais perto de vós: http://www.cienciaviva.pt/veraocv/2013/

 

Marinho Lopes (colaborador do Ciência com Todos e doutorando em Física na U. de Aveiro) - texto primeiramente publicado no Blog do autor: Sophia of Nature.

 

Ver original em: http://sophiaofnature.wordpress.com/2011/05/29/astronomia-amadora/

 

Tópico: Comentários

Astronomia amadora

Data: 20-08-2013 | De: Graciete Virgínia Rietsch Monteiro Fernandes

Obrigada pelas informações.
Gostava muito de ir a uma sessão dessas mas, para mim, é muito difícil.

Um abraço.

Itens: 1 - 1 de 1

Novo comentário